Editorial – Março 2018

Viva as mulheres!

Em março é celebrado mundialmente o dia das mulheres. Particularmente, acho um dia só pouco, mas é melhor que nada. Certamente a humanidade não vingaria se não fosse pelo amor que as mães dedicam por meses e anos aos seus filhos. Na antiguidade, as sociedades eram matrísticas, valorizavam homens e mulheres como fundamentais para o equilíbrio de tudo. Porém, hoje, as sociedades em sua maioria são patriarcais e machistas e deixam o papel de protagonista nas mãos de homens, que raramente são comprometidos com a importância deste equilíbrio.

Para celebrar estas conquistas, vamos realizar uma programação especial: exibiremos o documentário “Ela é linda quando está brava”, que aborda o papel das mulheres durante as conquistas de direitos com o movimento feminista. Após a exibição, teremos uma conversa sobre o impacto do movimento feminista e quais são as principais questões em que devemos nos debruçar para que o feminismo não se transforme em uma versão feminina do machismo e possamos encontrar soluções que tragam igualdade de direitos, libertem as mulheres das ditaduras de imagem e realmente promovam o potencial e as qualidades que as mulheres têm a oferecer ao mundo.

O Poder da Deusa” será uma vivência que abordará o papel arquetípico da Deusa como fonte da vida e força primordial do feminino, que derrama sua energia desde nosso nascimento até o último suspiro. Podemos encontrar a vitalidade de sua energia representada pela lua, força prateada que regula os mares e humores. Teremos a participação especial do naturólogo Bruno Esteves, que conduzirá uma experiência de cura através da aromaterapia e florais, oferecendo preciosas dicas sobre como podemos nutrir e equilibrar o corpo e a alma da mulher.

Joseph Campbell (nascido em 26/03/1905) será o homenageado deste mês. Mitólogo, sua influência e prestígio nasceram de seu talento, grande conhecimento acadêmico e um carisma que levou muitos artistas, poetas, diretores de cinema a se tornarem amantes de mitologia no mundo todo. Seu livro mais famoso é o “Herói de Mil Faces”, editado em 1949. Influenciado por seu autor preferido, Jayme Joyce, Campbell desenvolve a conhecida teoria do “Monomito”, estrutura lógica presente de alguma forma na demonstração dos mitos, nas mais diversas culturas. Ele é também autor de muitas outras obras de extremo valor. Algumas têm clara influência de Thomas Man e de artistas modernistas como Picasso, Paul Klee e outros, com os quais teve contato na Europa nos anos 1920, um momento de grande efervescência cultural no velho continente. Ali também tomou contato com os trabalhos de Sigmund Freud, Carl Jung e Zimmer. Tornou-se amigo de Jiddu Krishnamurti, que o colocou em contato com a filosofia e mitologia. Durante o tributo que realizaremos, vamos exibir um episódio da aclamada série “O Poder do Mito” e refletir sobre a importância dos mitos na busca da autorrealização e a utilização da sabedoria presente nos contos e lendas de diferentes tradições.

Que a força esteja conosco e que possamos compartilhar esta energia maravilhosa dos mitos com todos que celebrarem conosco!

Mãos em prece,
Regina Proença

Comentários Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *