Saudações!
O ano mal começou e temos que lidar com tragédias causadas pela violência, lama e falta de consciência dos nossos governantes em relação à liberação do porte de armas e às mudanças na educação. Não gosto de começar o editorial com reclamações e críticas, mas não posso ignorar os fatos e falar apenas das flores. Sinto imensamente pela grande perda de tempo, energia e oportunidades que estamos deixando passar, independente de quem votou ou não nestes indivíduos, os resultados de suas sandices afetarão a todos, sem exceção.

Apesar de minha tristeza e revolta, pretendo canalizar minha raiva de forma construtiva e continuar nosso trabalho de formiguinha na construção de um mundo melhor, mais justo e responsável ecologicamente, socialmente e espiritualmente. Para isso, temos que nos manter unidos e saudáveis, pois as nuvens negras que agora pairam, um dia irão se precipitar, a chuva certamente será pesada mas lavará a terra e a alma. Precisamos estar fortes, lúcidos e preparados para agir, procurando brechas, nos organizando no meio do caos e, principalmente, não desanimando diante das dificuldades.

Estamos organizando uma nova turma de capacitação em Educação para Paz, com início na primeira semana de fevereiro. Esta formação dará suporte acadêmico e emocional aos que buscam mudar o mundo através da não-violência e cultura de paz e promovem uma educação social, emocional e ética, instrumentos valiosos para mantermos nossas convicções fortalecidas e também para sairmos de nossa zona de conforto e atuarmos como agentes de transformação em nossas comunidades.

Para nos mostrar os problemas e algumas das soluções encontradas por outros países para a educação de crianças e jovens, vamos exibir o documentário de Michael Moore “Onde invadir agora” (Where to invade next), onde ele apresenta as diferentes realidades e resultados obtidos por educadores em países como França, Portugal, Islândia e Estados Unidos. São exemplos que podem nos inspirar e, quem sabe, evitar alguns dos erros que foram cometidos e trouxeram tanto desinteresse pela aprendizagem e estudo. O filme mostra as mudanças realizadas em países que hoje estão nos primeiros lugares no mundo em relação à educação e qualidade de ensino. Vale a pena assistir e refletir sobre o que está ao nosso alcance e como podemos alcançar as mudanças necessárias.

Para os que desejam aprender Reiki, teremos uma visita especial da terapeuta Andreia Pascale, que vive há mais de 15 anos na Espanha, onde realiza seu trabalho com técnicas de cura natural e energética. Ela realizará um curso e também atendimentos aos interessados, as informações sobre horários e valores do curso e terapias estão em nossa agenda. Oportunidade maravilhosa aos que buscam equilibrar-se e também ajudar ao próximo.

Participem de nossa programação e juntem-se a nós na resistência, mudança e na busca por um mundo mais pacífico, equilibrado e saudável!

Mãos em prece.
Regina Proença

Comentários Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *